Regionais

A experiência do batismo que transformou uma família

por Luiz Lopes, 22 de fevereiro de 2021, 1 Comentários(s)

A missão da Igreja gera um compromisso de proclamar a Palavra, insistindo oportuna ou inoportunamente para levar o Evangelho a todas as pessoas. E não é diferente o trabalho da Pastoral Familiar. Em qualquer oportunidade, os agentes devem tocar os corações para que o plano de Deus para as famílias seja conhecido e assimilado.

Foi o que aconteceu com o casal Maria Edna da Paz Rodrigues e Joel Pinto, de Fortaleza (CE). Após um ano morando juntos, tiveram o Joel Miguel. A experiência religiosa da família de Maria Edna fez com que procurassem o Sacramento do Batismo para o menino. Foi aí que entrou a Pastoral Familiar para transformar a vida do casal, que se sentiu tocado com a beleza da vida em família com as bênçãos de Deus.

Joel, Joel Miguel e Maria Edna

O processo de preparação para o Batismo na paróquia Nossa Senhora de Nazaré, na arquidiocese de Fortaleza, conta com uma visita feita pelos agentes da Pastoral do Batismo às famílias dos batizandos, como momento de integração dessas famílias na Comunidade Paroquial e a formação de laços de amizades.

Neste momento, os agentes fazem o querigma, o primeiro anúncio de Jesus Cristo, leem a Bíblia, escutam os familiares e identificam se há alguém sem o sacramento do matrimônio. Ao ressaltarem a importância deste Sacramento, envolvem a Pastoral Familiar para conduzir na caminhada de regularização da união.

Maria Edna recorda que em um dos encontros de preparação para o Batismo de seu filho Joel Miguel uma pessoa da Pastoral Familiar falou sobre o matrimônio. “Disse que o matrimônio santifica a vida dos esposos, eleva a dignidade do amor dos dois, e é uma questão de amor e de graça de Deus. E disse também que o matrimônio traz consequências benéficas para o casal e para a comunidade onde eles dois vivem”, recorda.

Força da graça

“Disse ainda, que quem casa na Igreja recebe a força de poderem continuar inseparáveis, e também a graça de viverem ajudando um ao outro, na vida a dois, cultivando o amor com  paciência, sacrifício, carinho, respeito, fidelidade e perdoando as ofensas sem se esquecer de colocar Deus, no centro da vida do casal”, enumera Maria Edna.

Joel e Maria Edna

Jesus Cristo que deu a vida para abrir as portas do céu para nós e quer que nós vivamos buscando a santidade
– Maria Edna

Do encontro, a mãe de Joel Miguel também lembra que pôde aprender que, recebendo o sacramento do matrimônio, o casal recebe coragem para aceitar os filhos e a graça de dar educação a eles.

Viver como batizados

Edna ainda lembra a explicação sobre o Sacramento do Batismo. “[A pessoa da Pastoral Familiar] explicou também que quando a gente se batiza torna-se filho de Deus, nasce de novo, torna-se cristão, irmão de Jesus Cristo. E um cristão não deve viver como um pagão, como nunca tivesse se batizado. Os que recebem o sacramento do batismo se tornam membros da Igreja de Jesus Cristo. Jesus Cristo que deu a vida para abrir as portas do céu para nós e quer que nós vivamos buscando a santidade. Portanto, um casal batizado deve viver como batizado, e não como pagão”.

Após os encontros de preparação para o Batismo do filho, Joel e Maria Edna procuraram a preparação para o Matrimônio. “Os encontros foram em  dois fins de semana. Dois sábados à tarde e duas manhãs de domingos. E nesses encontros ouvimos mais coisas sobre o sacramento do matrimônio e também outros assuntos  que orientavam a gente viver bem a vida de casal”, conta Maria Edna.

Filho de pais não católicos, Joel não era batizado ,quando conheceu sua esposa, em 2014. Para ele, ser batizado na Igreja Católica foi uma das coisas mais importantes que aconteceu na sua vida: “Fiquei bastante feliz em ser batizado! Amadureci muito, mudei muito, me tornei uma nova pessoa! Não para os outros, mas para mim mesmo!”, ressalta.

Decidi casar com a Edna, a mãe do meu filho. Edna me ajudou a amadurecer e eu vi que já estava pronto para essa decisão, que ela seria a minha esposa para sempre abençoada por Deus”, conta Joel.

“Fiquei bastante feliz em ser batizado! Amadureci muito, mudei muito, me tornei uma nova pessoa! Não para os outros, mas para mim mesmo!”
– Joel

Colaborou Clea Costa - cooperadora para a Comunicação NE 1

Comentários

  1. Francisco Ednardo Carneiro de Almeida disse:

    Que graça vermos que a Pastoral Familiar, no seu jeito de evangelizar, leva Cristo aos pagãos e, pela ação do Espírito Santo, converte ao Caminho do Senhor.
    Gratificante ser Pastoral Familiar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *