Família

Dom Lorenzo fala da vocação e a missão da família

por Pastoral Familiar, 27 de março de 2015, 0 Comentários(s)

Dom Lorenzo Baldisseri

Dom Lorenzo Baldisseri

Alegria, responsabilidade e ternura: somente com essa atitude o cristão pode responder concretamente à interrogação “o que podemos fazer para difundir a cultura da vida?” Foi o que indicou o secretário geral do Sínodo dos Bispos, cardeal Lorenzo Baldisseri,  durante encontro organizado pela Conferência Episcopal Eslovaca, na terça-feira, 24 de março.

Convidado pelo presidente dos bispos eslovacos, dom Stanislav Zvolenský, dom Lorenzo contextualizou e aprofundou a vocação e a missão da família, em vista da assembleia ordinária de outubro próximo.

Após ter recordado o vigésimo aniversário da Evangelium vitae, a encíclica que João Paulo II dedicou a este tema, o cardeal Baldisseri fez um aceno à cultura da vida no magistério do papa Francisco, o qual – explicou – convida a “alargar”, na luta, a linha frente.

De fato, aquilo contra o qual se deve combater “não é somente a manipulação da vida hoje possível mediante a perniciosa aliança entre biotecnologias sofisticadas e ideologias libertárias, muitas vezes patrocinada por grupos de poder”, mas também “a inaceitável humilhação da vida produzida por um pacto perverso entre política e economia de mercado”.

Efetivamente, acrescentou, para o Pontífice “a cultura da vida torna-se uma só coisa com a ‘opção pelos pobres'”, que é “bem diferente do vago e fácil assistencialismo”.

Evangelho da Família

Apesar disso, advertiu dom Lorenzo, que o papa Francisco “ensina a não ceder ao pessimismo e a evitar as polarizações. Seu pensamento não é um pensamento ‘contra’, mas ‘prol’; não é um ‘não’, mas um ‘sim’. Trata-se de assumir um novo estilo, em que os conteúdos irrenunciáveis do Evangelho da vida sejam todos reiterados e proclamados, mas com a atenção para evitar a tentação” de impor “fardos insuportáveis”.

Essa, observou, “é a grande revolução de Francisco: a revolução das linguagens e das atitudes, na fidelidade à doutrina de sempre; a revolução da ternura e da misericórdia, que de modo espontâneo evoca à mente as palavras pronunciadas por João XXIII no início do Concílio Vaticano II”.

A última parte do pronunciamento do secretário geral do Sínodo dos Bispos foi dedicada à estreita relação existente entre o Evangelho da vida e o Evangelho da família, à luz do “dúplice Sínodo” querido pelo Papa Francisco.

No encerramento o encontro, o cardeal Baldisseri presidiu na Catedral de São Martinho, recordando a solenidade da Anunciação do Senhor, com presença de muitas famílias.

CNPF com informações do News.va.

Â

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.