Família

“O cuidado pastoral pelos fiéis que estão separados ou divorciados continua sendo uma grande responsabilidade”, comenta dom Joseph Kurtz

por Pastoral Familiar, 24 de junho de 2014, 0 Comentários(s)

arcebispoEUAO presidente da Conferência Episcopal dos Estados Unidos, dom Joseph Kurtz, assinalou que as consultas realizadas para o próximo Sínodo dos Bispos sobre a Família manifestam a necessidade de uma melhor explicação da fé. “Sabemos da necessidade de um ensino mais efetivo sobre os princípios fundamentais da fé, tais como a indissolubilidade do matrimônio, a importância da diferença sexual para o matrimônio, a lei natural e o chamado aos casados de estarem abertos à vida”.

Durante a Assembleia Geral da Primavera realizada em Nova Orleans, dom Kurtz apresentou relatório do próximo Sínodo Extraordinário dos Bispos sobre a Família que acontecerá de 5 e 19 de outubro, no Vaticano, com o tema “Desafios pastorais da família no contexto da evangelização”.

Dom Louiseville observou que “como nos sínodos anteriores” foi pedido aos bispos que consultassem os fiéis sobre o tema. Os bispos dos Estados Unidos “responderam generosamente à solicitação e muitos foram testemunhas do entusiasmo e gratidão dos leigos por terem sido consultados sobre sua opinião com respeito ao tema da família”.

Ensinamentos da Igreja

“O cuidado pastoral pelos fiéis que estão separados ou divorciados continua sendo uma grande responsabilidade. Muitas pessoas divorciadas ou recasadas se sentem alienadas da Igreja”. O arcebispo comentou que os fiéis costumam mostrar “um profundo desejo de escutar os ensinamentos da Igreja sobre o matrimônio”, e adicionou que “muitos observam distrações causadas por representações inexatas” deste ensinamento.

Do mesmo modo, as consultas revelaram que as famílias estão sentindo a pressão da “instabilidade econômica, de estar muito ocupados, de viver em uma cultura frequentemente hostil à fé e excessivamente centrada no ganho material”, e que os pais muitas vezes têm dificuldades para transmitir a fé, “porque eles mesmos não foram totalmente evangelizados”.

O arcebispo disse, ainda, que apesar de muitos católicos “entenderem o que a Igreja ensina” sobre as uniões homossexuais, “existe um grande desejo de aprofundar e entender o por quê”.

As consultas também mostraram que quando o casal está em crise, veem em suas paróquias e em seus sacerdotes “a primeira fonte de ajuda”, e que as famílias que dão testemunho de uma igreja doméstica são uma “grande oportunidade” para a evangelização.

Assessoria de Imprensa da CNPF com informações da ACI Digital.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.