Área Home Sidebar Família

Assembleia discute revisão de documentos da Pastoral Familiar

por Luiz Lopes, 10 de julho de 2021, 1 Comentários(s)

A Pastoral Familiar quer revisar os documentos importantes para a sua atuação evangelizadora. Durante a 44ª Assembleia Ordinária da Pastoral Familiar, o casal coordenador nacional, Luiz e Káthia Stolf, apresentou no início da tarde deste sábado, 10 de julho, uma proposta de atualização dos materiais que auxiliam os grupos em todo o Brasil.

Entre os vários documentos utilizados pela Pastoral Familiar, foram definidas algumas prioridades para atualização: Pastoral Familiar na Paróquia – Guia de Implantação; Pastoral Familiar Setor Pré-Matrimonial; Pastoral Familiar Setor Pós-Matrimonial; e Setor Casos Especiais.

Os textos devem sofrer alterações em vários aspectos, como adequação para a realidade híbrida dos ambientes físicos e digitais/virtuais; revisões de texto, de linguagem e de conceitos, inclusão de novas referências em documentos recentes do Magistério da Igreja, além de novas indicações de materiais e novas mídias.

O secretário executivo da CNPF, padre Crispim Guimarães, ressaltou que a atualização deve levar em conta, quanto ao contexto atual da Igreja, o novo Diretório de Catequese, a Centralidade da Palavra de Deus, a Iniciação à Vida Cristã, a exortação apostólica Amoris Laetitia e todo o magistério do Papa Francisco.

“A partir de agora, cada um dos setores vai designar casais para efetuar este serviço de atualização com o objetivo de atender melhor as famílias e casais em cada tempo em que estão vivendo”, disse Pe. Crispim Guimarães. “A centralidade dos nossos materiais deve estar na Palavra e na sua vivência”, completou.

A proposta foi debatida pelos participantes da Assembleia e em breve o processo terá início com a participação dos três setores da Pastoral Familiar. As coordenações regionais também contribuirão na reformulação dos documentos.

Comentários

  1. Manoel do Socorro Moraes Ramos disse:

    Acho bastante pertinente as revisões dos subsídios, para adequação as novas realidades da evangelização das famílias e a preparação para a vida Matrimonial e acompanhamento dos novos casais e os casos especiais.
    Assim como outros que necessitem, mas que dependem da cnbb, ou seja, das assembléia dos bispos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *