Família

Dom Bruno Eliseu Versari fala ao Dicastério para a Família do Vaticano

por Pastoral Familiar, 19 de fevereiro de 2020, 0 Comentários(s)

O bispo de Campo Mourão (PR) e membro da Comissão Episcopal para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Bruno Elizeu Versari, falou ao Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida do Vaticano, na terça-feira, dia 18 de fevereiro, durante Visita Ad Limina dos bispos do Paraná à Santa Sé. Na ocasião, dom Bruno destacou quatro questões para serem refletidas pela Igreja: Acolhida aos casais de segunda união; Aprimoramentos dos Tribunais Eclesiásticos; Ameaças às famílias e a necessidade de absorção pelas famílias dos valores cristãos.

Image title
Foto: CNBB Sul 2/Karina de Carvalho

Confira o pronunciamento na íntegra:

Em nome de meus irmãos no episcopado do Regional Sul 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, gostaria de saudar Vossa Eminência Cardeal Kevin Joseph Farrell Prefeito do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida e seus assessores. Saudação e paz.

O Estado do Paraná possui mais de 11 milhões de habitantes dos quais aproximadamente 63% são católicos. Possui 18 dioceses, uma arquieparquia e uma eparquia para os ucranianos católicos. Conta-se de 993 paróquias. Temos 1721 sacerdotes. Sendo 801 religiosos e 920 do clero diocesano. 508 Diáconos permanentes. 1428 Religiosos consagrados (irmãos religiosos de congregações e ordens religiosas). 2581 Religiosas de vida consagrada e monjas. Atualmente 31 bispos vivos. São 21 bispos na ativa e 10 eméritos vivos.

Eminência Cardeal Kevin Joseph Farrell, estamos aqui para trazer-lhe notícias das nossas dioceses e arquidioceses. Estamos felizes porque trazemos boas notícias: o crescimento do número de sacerdotes; a Ação Evangelizadora – Cada Comunidade uma nova vocação, que faz aumentar o número de Vocações Sacerdotais e religiosas; – a fraternidade que cultivamos entre nós bispos; a Missão São Paulo VI que assumimos e desenvolvemos na Guiné Bissau – África; os nossos Planos de Ação Evangelizadora tanto regionais quanto diocesanos; o crescimento das Pastorais Sociais; a grande atuação do nosso laicato; o crescimento da Pastoral da Comunicação em todas as dioceses; o bom encaminhamento que conseguimos dar à catequese de Iniciação à vida Cristã sob inspiração catecumenal; a organização da Cáritas Regional e com ela várias Cáritas Diocesanas e Paroquiais, a constituição da Associação Vida e Família, instrumento legal para defender a família na sociedade, entre outras inúmeras ações de evangelização.

Nosso regional compõe o seu povo por representantes de inúmeros países, que convivem harmonicamente. A grande maioria da população está concentrada nas grandes cidades: Curitiba (Capital) e região metropolitana, Londrina, Maringá, Cascavel e Foz do Iguaçu. Decorrentes dessa realidade multicultural, várias preocupações podem ser vislumbradas: os desafios da evangelização numa cultura essencialmente urbana; o acolhimento das pessoas e de sua inserção no convívio social, através do emprego, educação, saúde, saneamento, transporte e outros, acrescidos do aumento da exclusão, da violência, das drogas e das suas consequências. 

A Igreja está sendo afetada por essas múltiplas transformações sociais. Temos certa dificuldade em acompanhar a velocidade do crescimento populacional nas grandes cidades. Apesar de estar aumentando, o número de presbíteros deveria ser multiplicado. Deparamo-nos com o acelerado crescimento das Igrejas evangélicas neopentecostais, dos adeptos do ateísmo e do indiferentismo. O acelerado avanço da tecnologia e das ciências invadem a vida dos jovens e adolescentes aos quais estamos com dificuldade de inseri-los no processo de evangelização, inclusive está crescendo demasiadamente a falta do sentido para a vida, levando-os a mutilações e atentados contra a própria vida.

O conselho episcopal de pastoral da CNBB do Paraná, juntamente com a suas assessorias, está dispensando um olhar especial ao Laicato, (pastorais e movimentos) aos diversos setores da pastoral familiar (pré matrimônio, preparação para o matrimônio, pós matrimônio e casos especiais), pois são muitas as demandas e iniciativas que existem na Igreja do Paraná. Destacamos o fortalecimento das pastorais sociais, sobretudo a Carcerária que atua junto aos presidiários, a Comissão Pastoral da Terra que desenvolve um excelente trabalho de assessoria sobre as questões agrárias, a pastoral do migrante que tem prestado acolhida aos irmãos vindos de outros países, as comissões diocesanas e ética na política, que orientam sobre o voto do cidadão, e acompanham os eleitos em seus mandatos entre tantas outras iniciativas plausíveis.

O Laicato é um instrumento onde se manifesta os sinais do Reino, fazendo-se serviço, por meio do seu protagonismo, na Igreja e na sociedade. O desafio do laicato é organizar-se em pequenas comunidades missionárias, fundamentar-se na Palavra de Deus em vista de uma maior manifestação profética em nome e em favor dos oprimidos, sendo um instrumento a serviço da comunhão, sendo verdadeiramente a Igreja povo de Deus, como pediu o Concílio Vaticano II.

O Laicato quer contribuir com a Igreja no Paraná e é condição e inspiração para inserção dos seus integrantes nas várias instâncias sociais.  Os leigos acabam vivendo entre as situações de injustiça conflituosa, mas sem compactuar com esta. Ao contrário, lutando sem esmorecimentos, junto aos seus semelhantes, pela proclamação da Paz fundada na Justiça, e na construção de uma sociedade balizada nos valores evangélicos.

Um grande trabalho em defesa da vida promove as pastorais do menor, da criança, da pessoa idosa, indígena, do imigrante, da mulher marginalizada, da pessoa com deficiência, da Comissão de Bioética, os diversos níveis de ações missionárias e tantas outras iniciativas. Por isso manifestamos a este Dicastério nossas alegrias e preocupações ao que se refere aos fiéis leigos na Igreja do Paraná.

Queremos lhe propor algumas questões pertinentes em nossas dioceses afim de abrir reflexões sobre as mesmas e podermos obter luzes diante de tais situações e assim manter a estrita comunhão com a Santa Sé:

1 – Os casais em nova união esperam da Igreja uma melhor acolhida. Desejamos avançar mais nesta reflexão;

2 – Os tribunais eclesiásticos nas dioceses e arquidioceses, tão desejados pelo Papa Francisco, estão aproximando suas estruturas judiciais dos fiéis, mas ainda há muito a fazer, pois a falta de informação clara, burocracia, custos e morosidade dos processos distanciam os fiéis desta possibilidade;

3 – A família está fortemente ameaçada pela cultura de morte que marca a sociedade contemporânea. Podemos acompanhar, através dos noticiários, como no mundo inteiro a família, fundada no matrimônio, tem sofrido ataques de propostas de lei que a enfraquecem e a desejam tornar igual a qualquer tipo de convivência e de ideologias que propagam a destruição da família tradicional cristã;

4- As famílias sofrem com as influências das mídias: seja para a separação do matrimônio, seja para o aborto ou no modo sutil de apresentar estratégias para se impor a ideologia de gênero. A ignorância dos valores cristãos é um grande desafio que precisamos enfrentar com fé e coragem.

Eminência Cardeal Kevin Joseph Farrell! Para vários dentre nós é a primeira Visita Ad Limina que realizamos e estamos ansiosos por ouvir a vossa palavra. Temos certeza que as palavras da Vossa Eminência ajudarão a crescer entre nós bispos, a apostolicidade do nosso ministério e a certeza de estarmos sempre caminhando com a Igreja de Jesus Cristo, Una, Católica, Apostólica e Romana, a quem consagramos nossas vidas, mantendo plena comunhão com o Santo Padre o Papa, ao qual muito admiramos, amamos e pelo qual muito rezamos.

Dom Bruno Elizeu Versari

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.