Regionais

Implantação do grupo de aconselhamento foi tema de formação no Regional Nordeste 3

por Andre Luiz, 29 de julho de 2021, 0 Comentários(s)

A Pastoral Familiar do regional Nordeste 3 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) – que envolve as dioceses dos estados da Bahia e de Sergipe – deu continuidade a uma série de encontros formativos para os seus integrantes. Na última terça-feira (27), o encontro foi conduzido pelo Setor de Casos Especiais, e teve como tema: “Diálogos e possibilidades para a implantação do grupo de aconselhamento”.

Foto: Reprodução

A formação começou com a benção de dom Carlos Alberto, bispo referencial da Pastoral Familiar no Regional. Ele exortou para que “à luz da Palavra recebamos a indicação do caminho para que nossa vida e nossa família estejam sempre em busca da santidade”.

O casal coordenador Nacional do setor de Casos Especiais, Afrânio e Flávia, falou sobre as perspectivas de trabalho e apresentaram um panorama de como se encontra o setor em todo o país. Em pesquisa realizada para elencar as prioridades de trabalho com os regionais, a que mais se destacou foi o trabalho com os casais em novas uniões. “Se no setor de pré-matrimônio, o serviço é a formação com os noivos, a do setor de casos especiais é o encontro com o bom pastor”, disse Flávia. Afrânio ressaltou que apesar deste trabalho se destacar como prioridade, o âmbito de trabalho é muito maior e devemos estar sempre atentos e preparados. Segundo ele, é uma prioridade a implementação – em todas as paróquias – do serviço de escuta ativa.

 “A pandemia revelou algumas realidades que existiam, mas que se encontravam meio que encobertas, como depressão, suicídio e violência doméstica, que devem ser trabalhadas com muita atenção” disse Pe. Fernando Francisco, assessor eclesiástico nacional do Setor de Casos Especiais.

O casal Cláudio e Maria do Rosário, membros da equipe pedagógica nacional e multiplicadores do Instituto Nacional da Família e da Pastoral Familiar (INAPAF), também falou sobre a importância da implantação do grupo de aconselhamento. Maria do Rosário lembrou que não podemos chamar a Pastoral Familiar de uma pastoral de casais, pois o trabalho é muito maior. “Também não é possível padronizar um trabalho pois cada regional, diocese e paróquia tem a sua realidade que pode ser diferente de outras. A formação do agente de pastoral deve ser constante e abre novos horizontes”, destacou. 

A live foi conduzida pelo casal coordenador do Setor de Casos Especiais do Regional Nordeste 3, Dalmy e Fátima e contou a com participação do casal Elielson e Marizelma, coordenadores do Regional. Participou também o assessor eclesiástico da Pastoral Familiar para as localidades, padre Edson Bahia.

Confira como foi o encontro:

Texto: Por Júlio e Kátia

Agentes de Comunicação do Regional Nordeste 3

Coordenação Diocesana Pastoral Familiar em Itabuna (BA)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *