Família

Testemunho: “Deus quer que toda família seja feliz”

por Andre Luiz, 18 de abril de 2022, 0 Comentários(s)

O casal Vito Sidoti e Rita Pantini participou na última sexta-feira (15) da Via Sacra, ocorrida no Coliseu, em Roma. Eles fizeram a décima primeira estação. Ao Vatican News, eles deram o seu testemunho de vida e de criação dos três filhos – dos quais dois optaram em seguir na vida consagrada.

A família teve início na comunidade de “Comunione e Liberazione”, onde o casal se encontrou quando eram jovens. Três crianças nasceram de seu amor – Caterina, Andrea e Benedetta. A primeira é casada e tem três filhos. Andrea, de 33 anos, é sacerdote desde 2020 na Fraternidade Sacerdotal Missionária de São Carlos Borromeo. Já Benedetta, de 29 anos (agora Irmã Agata), é uma freira de clausura no convento trapista de Vitorchiano.

Família Sidoti

Confira a entrevista com Vito Sidoti:

Vito, você é casado com Rita. Três filhos nasceram de seu amor: Andrea, Benedetta e Caterina.
Tivemos também um anjo em nossas vidas por causa de uma gravidez que não correu bem e foi interrompida prematuramente. Também aquela vida nos ensinou tanto quanto os outros filhos.

E a vida também lhes ensinou a aceitar escolhas importantes como as feitas por Andrea, que se tornou padre, e Benedetta, agora uma freira de clausura.
Escolhas totalmente inesperadas. Tínhamos visto que Andrea tinha vários amigos e também tínhamos pensado que sua atenção estava voltada em particular para uma amiga. Ao invés disso, talvez tenha compartilhado o caminho de sua vida. A certa altura, ele nos disse que iria entrar no seminário. Não experimentamos um caminho de preparação, mas apenas sua decisão.

E a vocação da Benedetta?
Benedetta trabalhou, graduou-se com honras. Ela optou por estudar medicina. Ela disse que não queria curar, mas cuidar dos pacientes. A certa altura, ela nos disse que queria entrar em clausura. Fiquei surpreso e, no início, tivemos um desnorteamento diferente. Estávamos convencidos, entretanto, de que ela estava fazendo uma coisa boa. Hoje eu vejo meus filhos e a imagem que tenho diante de mim é a deles recém-nascidos. O filme de suas vidas é como se fosse envolto em um instante.

E diante do filme de suas vidas este espanto continua….
Quando olho para meus filhos, todos os três, vejo que não fizemos nada. Disso temos certeza. Nós não impedimos que Deus se manifestasse. Depois, tudo o mais aconteceu. Queríamos que eles tivessem uma vida tão bela quanto a nossa. E que pudesse ser uma vida aquecida ao ver Deus trabalhando no mundo, na história e em nossas vidas. E assim aconteceu.

Então é um amor que reverbera na vida de Andrea, um sacerdote, Benedetta, uma freira de clausura e Caterina, que tem três filhos…
Uma coisa que já conversamos várias vezes com minha esposa é a seguinte: os filhos nasceram várias vezes. A escolha religiosa de Andrea e Benedetta foi um “nascimento” porque eles estavam partindo novamente para seu destino. E a vida de Caterina também tem sido assim: seu último nascimento foi quando ela decidiu se mudar para uma cidade distante.

Ser pai também significa isto: estar perto das escolhas de seus filhos. Acompanhando seus passos como Jesus na cruz está perto de cada homem.
Quando uma pessoa diz que é uma família de sorte porque é rica, ou porque seus filhos são religiosos, ou porque podem ir de férias para as Bahamas. Todos podem usar qualquer critério… Para mim, uma bela família é o amor que Deus quer para cada pessoa. Tenho experimentado em minha vida que Deus realmente me ama. O Senhor ama o destino de cada homem. Esta é a experiência da minha vida, a experiência que eu vejo refletida em meus filhos.

*Com informações da Vatican News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.