Vida

Padre avalia como inaceitável decisão a favor do aborto em MG

por Luiz Lopes, 12 de maio de 2022, 1 Comentários(s)

Um juiz de Belo Horizonte (MG) autorizou o aborto de um feto aos seis meses de gestação, após diagnóstico de uma doença chamada megabexiga. Em entrevista à ACI Digital, o assessor da Comissão de Bioética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), padre Otávio Juliano de Almeida, avaliou a decisão como inaceitável, ao atropelar a discussão da defesa do nascituro na sociedade brasileira.

É inaceitável que uma sentença judicial atropele a decisão soberana de uma sociedade civil organizada que permanece discutindo para si a moralidade comum da defesa do nascituro – acima de valores religiosos, pois somos um Estado laico, mas não prescindindo destes – para que sejamos considerados não um aglomerado de convicções e sentimentos individuais, mas uma nação com história e com perspectivas de manter a dignidade humana”,

disse padre Otávio

O bebê em gestação foi diagnosticado com a doença chamada megabexiga, que pode causar problemas renais e má-formação do pulmão. Padre Otávio solidarizou-se com o sofrimento do casal ao lembrar o quanto uma gravidez “é um sonho e uma bênção para todos”. E ressaltou: “Nenhuma gravidez é sonhada para ser feita com dor ou frustração, muito menos com a sua interrupção”.

Discernimento

O assessor da Comissão de Bioética da CNBB ofereceu duas indicações para o discernimento do casal que pede à Justiça permissão para abortar a criança. O primeiro, no caso de serem cristãos:

Que o discernimento da sua consciência precisa levar em consideração não apenas uma autonomia decisional, mas valores que são universais e absolutos, e a vida nascente é completamente desprotegida e precisa da nossa tutela como o fez o Cristianismo desde o seu nascimento”.

Somos o que somos, pela graça de Deus que mostrou que a dignidade da vida humana e do corpo humano são fundadas na Encarnação de Jesus, que foi embrião, feto, nascituro e plenamente humano”, disse o padre.

Já se o casal não for cristão, é preciso recordar os “mínimos morais” que existem na sociedade civil organizada, segundo o padre Otávio. Esses princípios “garantem que o ser humano absolutamente desprotegido seja tutelado”.

Padre Almeida recordou o combate a “mazelas sociais que desprezam a carne humana”, como “assassinatos, roubos, chacinas, desprezo pela fome, miséria, saúde publica, o desemprego e tantas outras chagas”, que “devem ser denunciadas e combatidas por todos que se declaram ‘pró-vida’, crentes ou ateus, porque humanos somos todos e estas não são situações menos importantes”. Entretanto, destacou que “apenas o que diferencia o aborto dessas mazelas é a absoluta incapacidade do embrião e do nascituro de se defender e dizer uma única palavra”.

Sofrimento psicológico

Em sua decisão, o juiz argumentou que é “irrefutável o sofrimento psicológico a que estaria submetida a mãe e a inutilidade da exposição ao risco de vida ou de sequelas à sua saúde, ante a perspectiva nula de sobrevida do nascituro ou, em caso de sobrevida, a mínima expectativa de vida e sofrimento causado ao ser humano”.

Para padre Otavio de Almeira, é preciso “perguntar se o mesmo ordenamento jurídico que tutela tantas outras situações vexatórias para o ser humano pretende alegar que o sofrimento psíquico individual – ainda que digno de consideração – seja superior ao valor coletivo de um bem que iguala a todos na mesma carne”.

Como Igreja precisamos continuar mostrando estas contradições do nosso próprio povo, seja na legislação, no parlamento ou na opinião pública, e pedir que todos atentem ao valor inegociável da vida nascente desprotegida”, concluiu.

Fonte: Natalia Zimbrão/ACI Digital - com adaptações
Foto: CNBB

Comentários

  1. Só a Deus pertence a vida. Ninguém tem o direito de tirá-la. Quantos casos sabemos de crianças diagnosticadas com “problemas” e que nascem perfeitas! Obrigada padre por colocar com tanta veemência sua explicação a favor da vida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.